2 de novembro de 2011


Sobre castelos, princesas e contos de fada:                                                       

Baixar:
♪♫Marcelo Camelo - Tudo o que você quiser♪♫






Passeando pelas redes sociais da vida, deparei-me com uma frase: “só queria continuar acreditando”; comecei a pensar sobre isso e conclui que preciso das minhas ilusões diárias. Então, por que buscar tanto a explicação de todas as coisas? Não entender é sufocante, angustiante e como diria minha celebre Clarice: "entender é sempre limitado, mas não entender pode não ter fronteiras".

Definitivamente não preciso de fronteiras; e menos ainda dessas realidades. De onde vem, por tanto, essa insaciável vontade de entender? Tenho querido tantas coisas, entre elas, alguns que não queria mais...

Tenho percebido algumas coisas inegáveis: energia existe, há sincronia em tudo, há tensão na proximidade, há o ciúme desmedido... Aprendi a abrir concessões em todas as coisas, mas talvez, somente talvez, alguma coisa em mim provoque recuo. Recuos meus, recuos dos outros. Recuo... E afirmo: explicação existe! Não querer dá-las, ouvi-las ou pensá-las não as elimina.

E volto a afirmar: esse medo não é meu.

Amo mais do que eu deveria, construo castelos como um bom peão e sinto as faltas mais doidas do mundo. Pratico apego ignorando a máxima da raposa e correndo risco de chorar um pouco por me deixar cativar... Mas sempre fui assim: um monte de ternura por um pouco de atenção...

Preciso parar de questionar metáforas e entender que construir castelos tem menos a ver com peão e realeza do que parece. Questionar romantismos é como questionar a beleza das coisas: um crime aos que acreditam que tudo pode ser melhor do que a realidade apresenta.

Castelos podem ser fortalezas, proteções ou apenas um lugar feito para guardar todas as coisas que precisam manter-se vivas, firmes, fortes e intocadas...

Um despretensioso cara de nome Walt Disney criou castelos, princesas, monstros e embalou a felicidade de gerações. Na frase de tal, posso fazer a verdadeira afirmação: “você pode sonhar, criar, desenhar e construir o lugar mais maravilhoso do mundo... Mas é necessário ter pessoas para transformar seu sonho em realidade...”

E me pergunto: de que adianta ser feliz para os outros e não ser feliz para si?! Só sonhadores de construtores de castelos sabem o que essa frase quer dizer. Somente eles.

Ainda trago coisas abertas e a maioria delas está no peito...



Obs.: por opção ou preguiça, hoje confundi todos os pontos e vírgulas no texto.




"Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure."



___________________________________________________________________

AVISO AOS NAVEGANTES:

Cliquem na seta da palavra "DE" da central de comentários e escolham um perfil ou coloquem o endereço do blog de vocês para que eu possa responder aos comentários. Ainda estou tentando me adaptar sem o haloscan.

Marcadores:

Por Laila Braga 14:20

|








0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link