11 de agosto de 2011


Sobre incoerência temporal e sentimentos:                                                       

Baixar:
♪♫Mergulhar - Scambo♪♫





Não me façam declarações de amor melosas e cheias de “romantismo”. Não gastem o seu tempo com “textinhos”, “mensagenzinhas”, flores, ursinho de pelúcia e esses clichês; não me sensibilizo com isso, não vou te dar atenção e principalmente: não vou te agradecer.

Sou grossa. Sou fria. Mas definitivamente não sou insensível. E pensando bem, a afirmação “sou fria” pode ser questionada.

Tenho medo de gente, sou insegura em relação as pessoas e minhas demonstrações de afetividade demoram a aparecer.

Não sou “tátil”. Não sou emotiva. Mas definitivamente não sou insensível nem fria.

Sou cabeça dura.

Todo mundo tem suas convicção, seus traumas e coisas pela qual é “cabeça dura” até o fim.

Sou humana. Sou cultural. Sou social. E definitivamente tenho padrões de
comportamentos clichês da raça, do gênero, da orientação.

Sou de difícil manutenção. Mas definitivamente, essa afirmação também é questionável.

Admito ter alguns vários defeitos de socialização e gostaria de me livrar de alguns deles. Vejam bem: alguns deles.

Não sei dizer “obrigada”, “fica”, “gosto de você”, “eu me importo”, “estou com ciúmes” e inúmeras outras palavras e frases que poderiam fazer diferença na minha vida. Tenho uma falha em demonstração de afeto e não gosto disso. Essa falha é a dona do nó que fica atravessado as vezes na garganta.

Só peço: não me levem a mal e partam antes que eu comece a gostar, caso não consigam lidar com esses defeitos e falhas.

Todos tens seus armários e toda a gente (inclusive eu) tem que aprender a respeitá-los. Ficar dentro deles, pode ser a melhor opção as vezes.





"Odeio dois beijinhos, aperto de mão, tumulto, calor, gente burra e quem não sabe mentir direito."


Por Laila Braga 20:28

|








0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link