5 de abril de 2007


Eixos                                                       


Muitas provas a serem estudas, muitas coisas boas acontecendo, muitas coisas ruins pra rebater e a vida vai seguindo.



Quando os eixos parecem encontrar suas devidas coisas, as coisas simplesmente voltam a se quebram como se não existissem eixos certos para as coisas certas.

Mas o que seriam essas coisas? Sempre que se diz isso de certo ou errado eu me perco. Verdades absolutas, Certezas de sabão...

Perdi-me entre sussurros, mas preferia perder-me entre suspiros com os quais nunca consegui sonhar... Finda, finda, finda... Fenda de infinito... Traduções dos amores que ainda terei. Tolice mudar de amores.

E para não perder o meu velho costumo volto a dizer: Ridículo, ridículo e ridículo... Maus benzidos e bem ditos te amos... Droga que disparate, encerro-me aqui antes de falar mais asneira...



“O amor é o ridículo da vida,

a gente procura nele uma pureza impossível,

uma pureza que está sempre se pondo,

indo embora.”


Por Laila Braga 02:44

|








0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link