3 de maio de 2007


Menina                                                       





Ao som do mestre, nostalgia de noite de lua cheia e a lembrança de alguém que me chamava de “a menina triste” vindo do nada... Sou eu me olhando de fora? Talvez... Talvez...

Escuto uma voz triste.
Uma menina tão preciosa
Com medo de ficar sozinha.

Uma noite fria
Com lembranças amargas,
E um futuro incerto.

Ela esconde sua insegurança.
Tem medo de arriscar.
Medo de fracassar.

Às vezes ela não sabe o que falar.
Ela se cala.
Sente-se vazia.

Ela é durona, forte,
Briga e enfrenta.
Arrepende-se depois.

Ela tem medo das pessoas se cansarem dela.
De um dia partirem,
De ficar só.

Seus olhos brilham
Com todas essas lágrimas.
Não chore.

Olhe em volta,
Você não está sozinha.
Nunca estará.

Fica cara a cara comigo.
Olhos que se calam quando eu me calo.
Ainda quero te ouvir cantar.

É preciso oferecer-se
De proteção para as fraquezas.
E sentir a luz que escorre.

Ressuscita a esperança.
Acreditar na palavra esquecida.
Olha o amanhecer.

Deixar-se inundar pelo brilho da safira.
Sonhe frente ao intangível.
Isso é mais você.

"Não sou o que pareço. O que pareço é apenas uma vestimenta cuidadosamente tecida, que me protege de tuas perguntas e te protege da minha negligência."

Por Laila Braga 02:01

|








0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link