13 de novembro de 2006


Máscara                                                       


Só mais um "pra sempre" que vai se acabar... Insônia, insônia, insônia...


Dê-nos tempo para pormos a máscara.
Perdidos que estamos nas esquinas do medo.
Dê-nos um barco, um leme e uma bússola,
E partiremos de manhã cedo.

Temos um sol quente,
Um céu azul forte,
Fomos ao mar largo.
Abrimos o pano todo ao vento norte.

Queremos um quarto forrado de espelhos
Para mirarmos a nossa nudez,
Corremos o risco de chegarmos a velhos,
Sem nunca sabermos da loucura a lucidez

Sabemos do beijo que roça a carícia,
Sabemos da caixa que guarda os segredos,
Sabemos da vida, fingida, a malícia.
Tocamos na lua com a ponta dos dedos

Conheço a brecha aberta do meu coração.
Vamos fingir que acabou e ir cada um para seu lado.
Vamos fingir que não doeu e dar risadas.
Vamos brincar de maldito "te amo".

Os dados continuam sobre a mesa
Jogue-os no chão e saia correndo
Esse jogo pra mim agora acabou.
Já dizia a canção: "Viver é melhor que sonhar...”


"Mesmo que chegue o momento que eu não esteja mais aqui e os meus ossos virem adubo, você pode me encontrar no avesso de uma dor"

Por Laila Braga 17:45

|








0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link