26 de outubro de 2006


Pé perante pé                                                       


Como notaram Lay novo, que eu ainda não sei se gostei. Muita saudade, alguns medos que insistem em permanecer, insônia. Blábláblá... Ou Post do dia... Desculpe a demora!


Pé perante pé...
Chego-me a qualquer punhado de palavras.
Pudesse ser ela minha!
Mas, sequer, o meu evocado ouve!

Deixo…
Pingar um último pedaço de sonho.

Deixo...
Rasgar-se uma nesga de sorriso.

Deixo...
Que caia como chuva, este pranto.

Pé perante pé...
Cruzar despercebida por mim,
Olhando estas mãos,
Que outrora desfiaram tantas letras!

E,
Enquanto, pé perante pé,
Vou passando por um passado,
Pelas passadas,
(Palavras)
Pisadas,
(Escritas)
Por mim,
Eu penso:
Como eu fui tanto!
Fui tudo!

Hoje?
Sou hiato,
Sou da máscara mero pedaço,
Sou dum quase nada, um quase fim!


"Pelo poder da verdade, eu, enquanto vivo, conquistei o universo"

Por Laila Braga 02:51

|








0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link