26 de janeiro de 2006


Traga-me                                                       

Depois de muita enrola o endereço novo.
Isso seria chamado de ócio criativo? Não ficou de todo ruim, mas não gostei desse final. Já fui melhor do que isso. É só uma fase ruim...



Traga-me
Num raio de luz toda a embriaguez
Do conforto utópico Causado pela sociedade
Que sofre em silêncio
Calados pelas leis das ruas
E pelos corpos sem espírito que caminham entre nós.

Leve-me
Ao jardim mais vazio
Onde a orquestra da natureza parou de soar
Onde os lírios Permanecem calados
Beijados pelos luz da lua
E tranqüilizados pelo cheiro adocicado que entorpece a mente.

Sangra-me
Numa doença sem cura,
Criada por um coração amargo
E pela tristeza no olhar dos que caminham sem destino
Buscando num mundo metafórico alguma razão.

Adormeça-me
Perdido num buraco escuro
Para que meus cerrados não vejam as folhas caírem
E não percebam que os raios de luz
Vistos ao longe são apenas ilusão.

Por Laila Braga 00:38

|








0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link