15 de abril de 2010


Baixar:
♪♫Ivan Parente - Saudade♪♫

Foto: Prado, Bahia


                                                                                                Continuando...

            Sei lá também por que as pessoas usam tantas palavras sem significado. Eu fico ali, olhando, ouvindo e pegando as palavras e repetindo. Em tempos atrás isso começou me assustar. Tinha a mania atoleimada de falar um tanto de coisas sem nem saber o que eu falava, mas não é que é que as pessoas me entendiam? Sempre achei adulto meio fingido. Já não bastava a família desproporcional, ainda tinha as visitas que chegavam e se aprochegavam (acho que acabo de criar essa palavra, sei não) parecendo não querer ir mais embora.

            As visitas sim eram engraçadas. Divertia-me com elas. Ficava eu cá a tentar fazer parte da moldura, até certa hora em que uns e outros gritavam “menino, vem aqui falar com as visitas”. E lá ia eu. Todo empinadinho. Carregava essa coisa de postura comigo. Era só estratégia pra desviar atenção. Sempre acreditei ter a cabeça pequena demais pro tamanho dos olhos, ai me empinava e ficava todo mundo olhando pra o jeito estranho que eu caminhava e esqueciam os olhos da cabeça. Pois bem, lá ia eu todo empinado falar com as visitas. Juntava um amontoado e palavras, principalmente as que começavam com “a”, e falava uns dois minutos seguidos com os estranhos. Volta e meio ouvia um abobalhado dizer “quando esse menino crescer vai ser um Padre ou um Juiz”. Demorei a entender o que padres e juízes traziam em comum. Sei nem se entendi mesmo, mas me dei à explicação interna de que é por que eles usam aqueles vestidos pretos esquisitos por cima da roupa. Padres eu já vi que usam. Freqüentava algumas vezes uma igrejinha pequena e velha que tinha perto de casa, e lá tinha um desses padres que fala devagarzinho e usa essas roupas mesmo quando faz um calor dos diabos. Juiz eu nunca vi de perto, só via em uns episódios de Jonny Quest que passavam na televisão gigante e de imagem ruim da casa do meu avô.

            Outro dia eu, com aqueles tais botões cerebrais, dos quais, já havia falado, me peguei pensando um dia em qual seria o motivo para as máscaras dos bailes de carnaval (e outros que ficam imitando esses). As pessoas se travestem de máscaras pra fazer coisas que não fariam sem elas. Esse mundo é mesmo complicado de entender. Tenho que ficar repetindo o tempo todo “abestalhados, abestalhados e abestalhados”. Todo mundo sabe quem fica atrás da máscara, mas a culpa é do personagem e não de quem dá vida a ele. Mas vou lá eu na minha meninice fazer coisa parecida pra ver o que me acontece. Adultos têm dessas coisas de descontar tudo nas crianças, e quando a criança sou eu então... Já viu num é?!

            Fico eu aqui falando das minhas criações de menino vivendo em sua meninice, e acabo por esquecer as coisas de menino em suas adultices (essa palavra invento agora). Na minha adultice tenho que freqüentar escola e arrumar o quarto. Por vezes me deparo com pessoas dizendo que sou novo pra freqüentar escola, mas verdade é que me acho novo pra arrumar o quarto. Poxa, tenho que por coisas no lugar que são delas e se quer sei por quê. Não gosto de não saber das coisas que faço. Isso é besteira de adulto. Na escola eu sei o que faço: nada de aprender ler, escrever ou essas coisas normais. Vou pra lá ver. Isso mesmo! Vou pra lá só pra ver coisas que não vejo fora de lá. Sempre saiu muito de casa, mas o que vejo em todo lugar é diferente. Já disse que sou um olhador, então tenho que olhar.

            Às vezes me permito dividir imaginação e mundos com outras crianças, mas ainda tenho uma coisa em mim que diz que crianças são entediantes. Elas são melhores que adultos porque tenho pra mim que enquanto crianças são entediantes, adultos são somente crianças burras. Sou nenhum gênio. Na verdade acho que sou chato mesmo. Quando mais novo achava que tinha caído de alguma nave espacial por engano. Hoje acredito que se tiver caído, não foi por engano. Alguém deve ter me jogado por eu ser chato, mas tenho minhas dúvidas sobre essa coisa de ter vindo de outro planeta. Por vezes penso que sou só uma criança comum que é igualmente diferente como tudo mundo. Tenho mania de superioridade e não me misturo muito. Disso já sei, e venho tentando tomar cuidado.

                                                                                                Continua...


________________________________________________________________________________

Tentando me render a algumas "tecnologias":

Marcadores:

Por Laila Braga 14:24

|








0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link